23 de fev de 2011

Do blog de Inaldo Sampaio

Fogo Cruzado
Oposições começam a debater 2012

Coluna da Folha de Pernambuco da quarta-feira, 23/02/11

Dois mil e doze ainda está longe, mas já entrou na pauta dos políticos que sonham com a cadeira de João da Costa, especialmente Raul Jungmann, Mendonça Filho e Raul Henry, para falar apenas nos da Oposição. Jungmann, quando aceitou o convite de Sérgio Guerra para substituí-lo na chapa de Jarbas Vasconcelos como candidato a senador, o fez com o compromisso de se candidatar a prefeito da capital, em aliança com o PSDB, e se diz pronto para a guerra.

Raul Henry tem sido mais discreto do que Jungmann na abordagem da questão eleitoral, mas está tomando gosto pela disputa por ser o único herdeiro político de Jarbas Vasconcelos em condições de ser candidato. Ele sentou anteontem com o ex-deputado Roberto Magalhães para uma avaliação geral do quadro e chegaram às mesmas conclusões: que o projeto do PT no Recife esgotou-se pelo desgaste político e administrativo do prefeito João da Costa, e que a vez agora é da Oposição.

Restaria apenas identificar o que é melhor para as oposições: se um ou se vários candidatos. Raul Henry já teve oportunidade de dizer que não considera “necessariamente ruim” três cavalos no páreo – ele próprio, Raul Jungmann e Mendonça Filho – porque isso garantiria a realização do 2º turno. Alude ao fato de ele e Mendonça juntos terem obtido 40% dos votos em 2008. Se Jungmann chegar aos 11%, como acha que chega, a Oposição retomaria a principal prefeitura do PT.

Tal filho - Edelço Gomes Filho, assessor especial do governador Eduardo Campos, segue os mesmos passos do pai, hoje aposentado, que foi assessor político de Miguel Arraes. Vai disputar a prefeitura de Passira no próximo ano. O pai foi prefeito daquele município entre 89 e 92.

Mãos dadas – Deram-se as mãos no município de Chã Grande o prefeito Diogo Alexandre (PR) e o seu antecessor Daniel Alves (PTB). Os dois pertenciam ao mesmo grupo, mas se separaram em 2008. Agora se juntaram novamente, deixando a Oposição local sem discurso e sem rumo.

Força 1 - Um dia após a votação do salário mínimo na Câmara Federal, o deputado Paulo Pereira (PDT) reuniu em SP, na sede da Força Sindical, seus 27 coordenadores estaduais para dar-lhes este recado: “Tivemos uma derrota eleitoral, mas uma extraordinária vitória política. Diferentemente da CUT, somos vistos hoje pela sociedade como os verdadeiros aliados do trabalhador”.

Força 2 - Aldo Amaral, coordenador da Força em Pernambuco e presidente do Sindicato da Indústria Pesada, voltou surpreso com esta declaração de Paulinho: “Vamos começar a bater nos ministros da área econômica para ver se a gente amolece o coração da Dilma”. Paulinho tem queixa dela por não ter recebido sequer um telefonema de agradecimento pelo apoio que lhe deu.

Discurso - Para Ciro Coelho (PSB), a criação da Secretaria Nacional de Irrigação anunciada anteontem em Sergipe pela presidente Dilma Rousseff vai deixar sem discurso a Oposição de Petrolina: o prefeito Júlio Lóssio (PMDB) e o ex-deputado federal Osvaldo Coelho (DEM).

Na Líbia - A pedido da Queiroz Galvão, Eduardo Campos acionou o chanceler brasileiro, Antonio Patriota, para pôr a embaixada brasileira em Trípoli, capital da Líbia, à disposição dos 120 pernambucanos que trabalham naquele país e estão enfrentando problema para sair.

De todos - A estreia do deputado Vinicius Labanca (PSB), ontem, na tribuna da Assembleia Legislativa, transformou-se numa sessão de aplausos ao seu pai, Ettore, prefeito de São Lourenço, que passou pela Casa entre 2003 e 2006. A maioria dos deputados que aparteou o filho enalteceu o bom caráter do pai, que, segundo Tony Gel (DEM), “é unanimidade nesta Casa”.

Carta 1 – Na “Carta de Barra dos Coqueiros”, divulgada anteontem em Sergipe, governadores do Nordeste incluíram à última hora um item sobre “segurança”. Eles defendem uma política de recuperação dos salários dos policiais civis e militares, o que só pode ser feito se tiverem ajuda do governo federal.

Carta 2 – Em muitos estados, incluindo Pernambuco, está-se fazendo demagogia com a PEC-300 (aquela que propõe um piso de R$ 3.300,00 para os militares). José Maranhão (PMDB-PB) concedeu este piso na véspera da eleição, mas nem por isso evitou a vitória do seu opositor Ricardo Coutinho (PSB).

0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...